Blog

            

Intercâmbio depois dos 30? A resposta é sim, sim, sim e sim!

Intercâmbio depois dos 30? A resposta é sim, sim, sim, sim e sim!

Esse texto é para desmistificar a história de que intercâmbio tem idade. Não tem não. A hora de fazer intercâmbio é aquela que você tem vontade, tempo e claro, grana, para fazer isso. Por mais que o número de adolescentes e jovens na faixa dos 20 anos seja o maior, o intercâmbio tem cada vez mais se tornado a opção de quem tem mais de 30. Fazer intercâmbio traz experiências similares e ao mesmo tempo muito diferentes de acordo com a idade do estudante. A gente reuniu alguns questionamentos que passam na cabeça de quem quer estudar no exterior, mas fica ainda preso a questão da idade.

Será que depois dos 30 faz sentido ainda fazer intercâmbio?

Sim! Pensa: você tem mais maturidade e já sabe aproveitar melhor cada momento da vida. Não tem mais aquela pressa, milhões de expectativas e questionamentos, pode focar no seu aprendizado, na troca de experiências e fazer programas incríveis que a gente só dá valor com o passar dos anos (como comer e beber bem num restaurante com decoração incrível na companhia de novos amigos). Você já tem maior estabilidade, pode pagar sua viagem, decidir onde vai ficar, o que quer fazer, sem precisar dar satisfação a ninguém. Você vai conhecer os pontos turísticos que sempre sonhou, aprender ou exercitar um outro idioma, descobrir que é mais capaz do que imagina.

Consigo aprender ou melhorar o idioma mesmo depois dos 30?

 Sim. Nunca é tarde demais para aprender, principalmente se você tem disposição. O que os estudiosos falam é que quanto mais cedo, mais fácil é, mas não que é impossível. E morando num outro país, falando o idioma o tempo todo, vivendo a cultura, tendo aulas, você vai descobrir que essa tarefa é mais simples do que você imagina, porque a língua estará em todos os momentos do seu dia-a-dia. Se no início parecer que não vai acontecer, se dê tempo e perceba o que acontecerá dia após dia: você vai estar falando, escrevendo, ouvindo e lendo em outro idioma sem nem perceber. Acalme sua ansiedade, foque no seu objetivo e tenha disposição que o aprendizado acontece. Se você já fala o idioma, vai descobrir que sabe mais do que imaginava e se soltando, vai sentir a evolução em pouco tempo.

Será que consigo conciliar minha vida que já está bem encaminhada com um intercâmbio?

Sim! Hoje existem muitas opções de curso de curta duração, a partir de uma semana. Você pode aproveitar as férias para estudar, viajar e voltar com o currículo cheio de novidades. Não precisa deixar o trabalho, os amigos, namorado (a). Mas se quiser deixar, você pode! Porque com o tempo aprendeu a ter mais confiança em você e sabe que essa aposta alta de viver por um longo período em outro país vai lhe render muito lá na frente. Você banca o risco porque a idade te ensinou que não há nada a temer. Seja qual for sua escolha, você vai aproveitar a experiência como ninguém.

Se eu for, vou ter de estudar com adolescentes e jovens?

Sim e não. Vai depender do curso que você escolher. Muita gente coloca esse como um ponto central na hora da escolha de fazer ou não intercâmbio. Algumas pessoas já sabem que não curtem estudar com adolescentes e pessoas mais jovens, por uma questão de perfil, acreditam que a turma vai ser mais agitada, menos comprometida, etc. E pode ser assim mesmo, como não. Essa questão da idade sempre é uma loteria, porque a gente bem sabe que há tantos jovens maduros, quanto pessoas maduras adolescentes. Para quem não quer arriscar, algumas escolas oferecem turmas 30+, onde apenas estudantes com mais de 30 anos participam. Quem teve a experiência nos dois tipos de classe, normal e 30+, prefere a última porque acredita que a proximidade das idades auxilia no andamento da aula em relação a discussão de assuntos, por exemplo. Mas é importante sempre lembrar que intercâmbio é troca e mesmo que não seja na sala de aula, é importante estar aberto para trocar experiências e fazer amizades com pessoas de todas as idades e culturas.

Tenho meus costumes, será que me adapto?

Sim (se você for com a ideia clara do que é intercâmbio). Morar num outro país nunca vai ser como morar na nossa casa, com as nossas coisas. É uma outra cultura, uma outra maneira de pensar, de fazer as refeições e até mesmo de tomar banho (em alguns países onde há o uso do boiler – caldeira – é preciso “colocar a água” para esquentar alguns minutos antes do banho). Então se você for com a mente aberta a ter novas experiências, você se adaptará sem problemas. Se você for ficar um tempo curto, se hospede numa casa de família, viva os costumes locais, dentro das regras deles. Você vai voltar com muitas histórias para contar. Se optar por um intercâmbio longo, possivelmente vai ter de dividir um apartamento com outros estudantes, aproveite para exercitar a boa vontade, conhecer a cultura do seu “flatmate” que poderá ser coreano, italiano, francês. Pensa que bacana cada semana um morador fazer um jantar típico? Com o tempo você percebe que abrir mão de alguns hábitos seus vale a pena, porque a recompensa são vivências inesquecíveis que você nunca teria ficando dentro da sua casa.

 

 

 

Alguns Destinos que Recomendamos

A conquista do seu intercâmbio está mais perto do que imagina


MALTA

Valletta, Sliema, Saint Julians, Mdina, Mosta, Rabat


ESPANHA

Madrid, Barcelona, Valencia, Tenerife, Cadiz, Sevilla


COSTA RICA

San José


COLÔMBIA

Bogotá


ITÁLIA

Roma, Milão, Florença, Siena, Calábria


ÁFRICA DO SUL

CapeTown, Namibia


BOLÍVIA

Sucre


ALEMANHA

Munich, Berlim, Frankfurt, Dusseldorf

2016- Travel Around the World - TAW - All rights reserved.